comissão imobiliária
NA DÚVIDA, PERGUNTE,  TODOS

Por que a comissão imobiliária vai acabar?

Para entender a pergunta, precisamos passear um pouco pela história. Vamos pensar como a primeira Revolução Industrial criou a corretagem de imóvel, como a Segunda e Terceira desenvolveram, e agora como a Quarta Revolução começou a eliminar este tipo de trabalho.

A Primeira Revolução Industrial aconteceu no período entre 1800 e 1910. Seu grande feito foi a aprimoração do maquinário e o surgimento da economia em escala.
As novas máquinas contribuíram para o aparecimento de grandes fábricas e indústrias, – o que levou uma grande quantidade de pessoas a migrarem do campo para a cidade em busca de trabalho.
Com o fluxo de gente cada vez mais intenso nas cidades, a demanda por novas moradias também aumentou. Novos tipos de empregos logo apareceram; no mercado imobiliário surgiu a função dos “intermediários”. Eram pessoas que se especializaram em conhecer bem os imóveis da região, conheciam muito bem a burocracia de transferência de terra ou propriedade e faziam publicidade para atrair interessados na compra de imóveis. Mais tarde essa profissão viria a se tornar o que hoje conhecemos como corretores.

Com o passar do tempo, as cidades foram crescendo e a profissão do corretor se tornando cada vez mais forte.

A Segunda Revolução Industrial datada entre 1900 e 1950 trouxe o petróleo e novas formas de fabricação do aço, – desencadeando uma série de produtos novos no mercado. O plástico surgiu, o automóvel já fazia parte da vida das pessoas e ferrovias foram construídas. E as cidades, claro, foram ficando cada vez mais lotadas.
O corretor foi evoluindo e adotando novas estratégias para divulgar os imóveis. Propagandas em outdoors, placas de rua e jornal impresso faziam parte das táticas utilizadas pelos profissionais. A informação começava a ganhar velocidade e alcance. Estes tipos de comunicação, junto com o fomento das cidades, logo gerou um boom imobiliário.

…E muita taxa de comissão à 6%.

Mesmo antes da legalização da profissão já existia uma disciplina de pagamento de comissão entre 6% a 10% aos corretores.

No período de 1950 a 2000 o capitalismo evoluiu através das novas formas de geração de energia, do desenvolvimento da computação e da expansão de empresas nacionais e multinacionais.
As novas tecnologias também muito vantajosas para os corretores, que utilizavam calculadoras eletrônicas portáteis e sistemas de otimização de tempo para ganhar mais vendas e visitas. A cada imóvel vendido se ganhava 6% de comissão.

Imagens do corretor de imóveis dirigindo seu conversível vermelho com capô aberto, escutando Queen nas alturas, portando um RayBan e um lindo sorriso pipocavam na telas de tv.
O trabalho de um corretor era realmente lucrativo. Eles ganhavam uma boa porcentagem nas intermediações imobiliárias, – era uma quantia alta mas justificável devido a importância da função, tão necessária, para a época: Eles tinham muitos contatos, sabiam tudo sobre as cidades e os melhores imóveis da região.

Foi com a Quarta Revolução Industrial que tudo começou a mudar.

A internet foi a principal responsável por balançar todo o cenário. A nova tecnologia consegue armazenar e transportar informação de forma muito mais rápida e barata. Logo, a troca de mensagens instantâneas substitui o antigo boca-a-boca e qualquer dúvida sobre uma rua ou região está a uma pergunta de distância no Google.
O interessado em um novo imóvel consegue pesquisar tudo por contra própria. O proprietário fica a um clique.

Será que precisamos do corretor e da imobiliária?

A resposta, senhores e senhoras, é não. A função do intermediador vira apenas de um “conector online”.

E o que um conector online faz?

A resposta é simples. Ele cria uma plataforma digital que ajuda a conectar interessados com proprietários. – e isto torna toda transação do imóvel muito mais econômica. Estes conectores permitem eliminar o intermediário e em consequência, corretores não são mais necessários. Logo, pagar comissão vira coisa do passado.

Já vivemos isso no nosso dia-a-dia quando vamos alugar um apartamento pelo Airbnb, quando vamos nos locomover pela cidade usando aplicativos como Cabify, Uber, 99 ou até mesmo quando queremos comprar um carro e utilizamos a Webmotors. O movimento é esse, a tendência já virou rotina. Então nada melhor do que inovarmos no mercado imobiliário também.

E você, sabia que a LIVIMA é uma startup conectora que hoje oferece está oportunidade aos interessados e proprietários? Incrível né! Conheça mais em nosso site: www.livima.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *